Harley-Davidson Road King

Harley-Davidson Road King

A eterna

Por mais que os anos passem, existem motos que irão manter a sua presença estética, sem muitas alterações. A Harley-Davidson Road King é uma delas, que tem camufladas as melhorias técnicas necessárias dos novos tempos. Mas no fundo tem a mesma filosofia de sempre, já que aqui, a idade ainda é um posto.

POR Fernando Neto • Fotos Paulo Calisto

A Road King é a descendente direta da Electra Glide Sport, mas para os que só agora começam a apreciar e a conhecer as motos custom, não estamos a falar de novidades 2016… Na verdade, esse mesmo modelo passou a fazer parte da gama do construtor norte-americano em 1977, quando foi lançada como uma versão mais acessível da Electra Glide. Quanto à Road King, foi introduzida em 1994, também com a presença de malas rígidas e ecrã dianteiro, mas sem carenagem, sendo que o farol grande e retro foi sempre uma das principais “imagens de marca”. O modelo foi depois recebendo evoluções a nível de motorização e foram nascendo outras versões, como a Road King Custom (em 2004) e mais tarde a Road King Classic, como parte da celebração do aniversário em 2008, moto que se distinguia especialmente pelos pneus com lista branca, jantes de raios e alforges em cabedal. As Road King e Road King Classic voltaram a fazer parte da gama mas com as mais recentes evoluções da marca, e desta vez, vamos apenas falar da versão original.

Características

Apesar do aspeto clássico, este modelo já contempla algumas das soluções mais recentes da marca, através do Project Rushmore. O motor é V-Twin High Output de 103 polegadas cúbicas  (1690 cc) e refrigerado por ar, com caixa de seis velocidades e melhorias na caixa de ar para um melhor fluxo e superiores recuperações a média rotação. Depois temos faróis de halogéneo duplos, luzes de nevoeiro e luzes de travão mais brilhantes. Os travões com ABS são interligados pelo sistema Reflex, sendo fabricados pela Brembo e incorporando pinças de quatro êmbolos e a forquilha dianteira é mais rígida, tendo o seu diâmetro aumentado para 49 mm, enquanto que atrás os amortecedores traseiros são pneumáticos, com uma válvula de ar colocada entre o alforge e o guarda-lamas traseiro para um ajuste rápido. Ainda na ciclística, o Dunlop traseiro possui tecnologia Multi-Tread, sendo mais rijo no centro e mais macio nas laterais. Os comandos foram redesenhados e têm um desenho mais ergonómico e quanto à chave é do tipo mãos livres, sistema já bem conhecido na Harley-Davidson. Os alforges rígidos são One Touch, o para-brisas pode ser facilmente retirado e mostrando que este é um modelo touring, o cruise control é de série!

_dsc5425

Para passeio

Esta é uma moto de linhas muito clássicas, e à primeira vista quase que pensamos tratar-se de uma Road King já com uns bons anos. Esta pintura cinza também parece não ajudar muito, e de um modo geral, pensamos que as linhas da Road King Classic poderão ter mais adeptos.

Apresenta uma boa posição de condução e um elevado conforto, e nesse aspeto só o assento escorregadio destoa um pouco. Quanto ao grande para-brisas, protege muito bem do vento e chuva em estrada aberta, mas atrapalha a visão em cidade aos utilizadores mais baixos. Mas esta não é uma moto de cidade, e para curtos passeios ou para andar no verão a opção é mesmo retirá-lo, algo que se faz em poucos segundos, sem recurso a ferramentas, parecendo até outra moto em termos estéticos. Em termos dinâmicos a Road King mostrou o desempenho esperado, já que o motor é agradável, possante e suave, batendo pouco nos baixos regimes, e o som dos escapes é muito agradável. As suspensões são boas – a forquilha funciona realmente bem – e o comportamento em estrada é agradável, mesmo em curva com uma distância ao solo q.b., sendo a travagem normal, sem deslumbrar, a obrigar a alguma força na manete até porque o peso do conjunto em ordem de marcha é elevadíssimo… 371 kg! O que significa que as manobras com o motor desligado fazem-nos suar e muito! É outra das razões para esta não ser uma moto de ambiente urbano, até porque a embraiagem é também um pouco dura e brusca no arranque a frio.

Em auto-estrada gostámos do funcionamento do cruise control, enquanto que a instrumentação contempla as informações principais mas está localizada numa zona inferior, no depósito de combustível, e frequentemente temos de procurar o pequeno símbolo dos “piscas” para percebermos se estão ou não ligados. Uma moto que em termos de economia foi uma agradável surpresa, com um consumo médio a rondar os 6 l/100 km, o que irá garantir uma excelente autonomia pois o depósito tem 22,7 litros de capacidade.

A Road King é para quem sabe bem o que quer, e está disponível em sete decorações diferentes, algumas delas em dois tons.

Artigos relacionados

Buell 1125R

Se em Itália sempre houve uma longa tradição de motos super-desportivas de dois cilindros, por que não fazer algo para enfrentá-las? Moto de nicho, a 1125R e a sua versão naked (CR) foram os últimos produtos do carismático fabricante norte-americano Buell, sob a alçada da Harley-Davidson, antes da marca fechar portas.

Honda NC750X DCT/Integra

A famosa utilitária da Honda recebeu este ano na sua versão X um estilo mais aventureiro e uma série de melhorias que a tornam numa moto mais moderna e apetecível. Fomos conhecê-la na versão DCT – sistema que foi também melhorado – e no mesmo dia rodámos igualmente com a Integra, a “scooter-moto” que foi também revista para este ano. Motos versáteis e que se adaptam que nem uma luva, em especial, aos que dão os primeiros passos nas duas rodas.

Yamaha FJR 1300 AE

Realizar longas tiradas de moto não tem que ter uma “seca” ou um martírio, pode na realidade ser bastante gratificante. Desde 2001 que a Yamaha tem mostrado isso, através de uma moto confortável mas bem divertida de utilizar; e agora que chegámos a 2016 é altura de mais uma renovação, com a FJR 1300 AE pronta para muitos mais quilómetros de prazer.