Suzuki GSX-R 750 1990

Suzuki GSX-R 750 1990

A famosa Gixxer

O modelo mais famoso da marca de Hamamatsu mudou para sempre a história da moto desportiva desde a sua apresentação no Salão de Colónia em 1984. Esta unidade pertence à segunda geração (1988-1991) e serviu de base para a moto que se estreou no então recém criado Campeonato do Mundo de Superbike.

Por Jesse Mach  Fotos Javier Fuentes

A nossa protagonista pertence à segunda evolução dos modelos GSX-R, uma moto que demonstrou a sua fiabilidade desde o início em corridas de longa duração, e temos como exemplo que em 1988 venceu o Mundial de Resistência com a famosa equipa francesa SERT.

Em comparação com a primeira geração, o redesenho das linhas foi total, mantendo formas arredondadas mas mais angulosas e mantendo a confiança num revisto motor de quatro cilindros em linha, refrigerado por ar/óleo e batizado com o sistema SACS (Suzuki Advanced Cooling System) para poupar peso (195 kg a seco) e alcançar 112 cv às 11.000 rpm. Este motor recebeu um tubo de óleo de maior diâmetro e um aumento de 20% no fluxo de refrigerante, melhorando a eficácia da refrigeração em 48%.

Senhas de identidade

Junto ao característico e inconfundível duplo farol dianteiro foram introduzidas duas entradas de ar que a Suzuki denominou de SACI (Suzuki Condensed Air Intake) para melhorar a admissão. Além disso, passou a estar equipada com jantes de 17 polegadas, a ter uma menor distância entre eixos, quadro de alumínio perimetral reforçado, braço-oscilante mais rígido e pinças de travão Nissin de quatro êmbolos. Em 1989 foi lançada a versão RR, com assento monolugar e algumas melhorias técnicas obrigatórias para poder ser homologada e assim participar sem problemas no Mundial de Superbike.

_mg_0382

Mais melhorias

Em 1990 chegou a forquilha invertida de 41 mm de diâmetro, tão na moda nos princípios dos anos ’90, e voltou-se a usar a configuração de motor de curso longo herdada da versão RR. Outras modificações  incluíam um sistema de escape em aço inoxidável 4-2-1, carburadores Mikuni de 38 mm Slingshot, válvulas mais pequenas, bielas novas, êmbolos mais leves, bomba de óleo de elevada capacidade com um radiador de óleo maior e amortecedor de direção na lateral esquerda (o mais sofisticado na época). A potência da penúltima Suzuki GSX-R 750 refrigerada por ar/ óleo chegou aos 115 cv às 11.000 rpm (embora o ‘red-line’ continuasse até às 13.000), enquanto que o peso baixou até aos 193 kg. Davam nas vistas os gordos discos de travão dianteiros com ranhuras, em contraste com o ventilado traseiro. Os orifícios nos discos são perfeitamente normais nas motos da atualidade para diminuir a temperatura de funcionamento já que evacuam melhor o calor, mas naquele momento os engenheiros da Suzuki pensaram que era melhor assim, modificando este elemento de segurança em relação às versões anteriores (algo que voltou a mudar outra vez na GSX-R de 1994). Também a ciclística mudou e usaram-se algumas melhorias da GSX-R 1100 de 1989. O ângulo da coluna estabeleceu-se nos 25,5º e a distância entre eixos nos 1.410 mm. A largura da jante traseira aumentou até aos 140 mm (antes era de 110 mm), embora o tamanho do pneu tenha permanecido o mesmo.

Acessórios de luxo

É importante destacar o quão mimada se encontrava esta unidade, já que, além de montar o assento monolugar em vez dos dois tradicionais assentos, contava com um escape Yoshimura 4-2-1 (em vez do escape duplo da geração anterior), amortecedor traseiro Ohlins e tubos de travão em malha de aço. O seu proprietário, mecânico de profissão, cuida-a e estima-a como uma lenda que é. Quanto às combinações cromáticas eram duas, azul e branco e vermelho e branco, sendo a primeira a preferida dos puristas da marca de Hamamatsu. Se quiseres comprar uma hoje em dia ainda não deverá ser muito difícil, além de que o seu preço no mercado não faz justiça a um modelo tão lendário e que tantas alegrias deu, e ainda dá, aos seus proprietários.

É claro que o estado geral conta muito, e é bem possível que encontres máquinas não só de preços variados, mas também de aspeto que poderá ir desde o irrepreensível até ao menos cuidado.

Artigos relacionados

Naked Made in Japan

Se o que procuras é funcionalidade e pureza de linhas, sem plásticos a ornamentar, então a naked é a tua moto. Há de todo o estilo, com mais ou menos motor e preços para todas as bolsas e, apesar de não serem os únicos a fazê-las, as fabricantes japoneses serão sempre uma referência. Nestas páginas juntamos várias das propostas orientais, ou seja, da Honda, Kawasaki, Suzuki e Yamaha.






Buell 1125R

Se em Itália sempre houve uma longa tradição de motos super-desportivas de dois cilindros, por que não fazer algo para enfrentá-las? Moto de nicho, a 1125R e a sua versão naked (CR) foram os últimos produtos do carismático fabricante norte-americano Buell, sob a alçada da Harley-Davidson, antes da marca fechar portas.






Yamaha FJR 1300 AE

Realizar longas tiradas de moto não tem que ter uma “seca” ou um martírio, pode na realidade ser bastante gratificante. Desde 2001 que a Yamaha tem mostrado isso, através de uma moto confortável mas bem divertida de utilizar; e agora que chegámos a 2016 é altura de mais uma renovação, com a FJR 1300 AE pronta para muitos mais quilómetros de prazer.