Triumph Street Twin

Triumph Street Twin

Vintage contemporânea

A Triumph acaba de reforçar o segmento de motos clássicas com uma renovada família Boneville, que junta reúne mais tecnologia e técnica, mas sem perder os valores de que sempre fez gala. No primeiro escalão está a Street Twin, uma ‘retro’ moderna, urbana e divertida, que tenta alcançar um público mais jovens que as suas antecessoras.

POR Jesse Mach • Fotos Triumph Motorcycles

Mais do que evoluir, a Triumph revolucionou a sua gama Boneville, dando um murro na mesa ao lançar cinco novos modelos que nasceram de uma folha em branco. Não falamos de algo completamente novo a nível estético,  já que as linhas clássicas dos anos ’60, tão típicas da marca se mantêm, mas sim em termos dinâmicos e de elec trónica, um capítulo novo neste segmento e que marca o caminho a seguir na próxima década.

A marca de Hinckley é a única da Grã-Bretanha que se manteve viva depois da grave crise da indústria europeia dos anos ’70 que quase acabava com o legado ‘british’ que parecia inabalável. Até esse momento as estradas de todo o mundo eram dominadas por máquinas inglesas nascidas nas linhas de montagem da Ariel, AJS, BSA, Norton, Matchless, Enfield ou Vincent, referentes às Superbike dessa era.

Em 2001, foi resgatado do esquecimento o modelo mais conhecido, a Boneville, sendo concebida uma moto de aspeto clássico mas de fabricação moderna que encantou os mais nostálgicos. Dessa moto de carburador e 800 cc pouco resta, tendo em conta que a nossa protagonista orgulha-se de apresentar um novo motor bicilíndrico de injeção electrónica e refrigerado por líquido. É verdade que, desde que começou a sua nova vida no início dos anos ’90, a Triumph sempre teve na mente as motos de estilo clássico, com o claro exemplo da Thunderbird 900 de 1994, um modelo de estética retro com motor tricilíndrico de 900 cc e que durou pouco mais de uma década, passando depois o testemunho às novas Boneville do século XXI.

4430

Todo novo

A apresentação pública da Street Twin teve lugar no Salão da EICMA em Milão, no passado mês de Novembro, junto dos restantes modelos Triumph 2016. Este modelo ainda recente no nosso mercado posiciona-se como a Boneville mais acessível fabricada até à data. Contemporânea, divertida, com carácter, acessível, e que além disso oferece possibilidades de personalização muito extensas.

Um dos aspetos mais chamativos da Street Twin é o seu novo motor bicilíndrico em paralelo, de oito válvulas e 900 cc. A sua poderosa cifra de binário máximo, 80 Nm a apenas 3200 rpm, mostra um aumento de 18% em relação à geração anterior. Uma mecânica que conta com uma entrega de potência linear e rápida desde as rotações mais baixas e em toda a gama de regimes, com a caraterística cambota a 270 graus. Além disso, graças à incorporação de refrigeração líquida, alcança emissões mais limpas e melhora o consumo em 36% face à Boneville que conhecíamos até aqui. Este modelo também conta, entre outras novidades, com acelerador eletrónico, ABS, controlo de tração desconectável,  embraiagem deslizante, farolim traseiro LED, imobilizador de motor, tomada de corrente com USB sob o assento e caixa de cinco velocidades. Em relação ao assento, refira-se que está colocado a apenas 750 mm do solo, uma caraterística importante para que novos utilizadores de todas as estaturas se adaptem facilmente. Possui suspensões melhoradas da Kayaba e com maior curso, que proporcionam uma estabilidade que nem sempre é possível de encontrar em motos deste segmento, o que, juntamente com a boa ergonomia alcançada, convertem esta moto num produto agradável de conduzir e com muita personalidade.

Outro dos aspetos importantes é que foi desenvolvida a pensar também na sua personalização, sendo capaz de refletir o seu estado de espírito do seu proprietário graças a mais de 150 acessórios específicos, desenvolvidos em exclusivo para esta moto. Podemos encontrar muitas peças de inspiração custom, como por exemplo assentos, cúpulas, novos escapes Vance & Hines, kit’s de desmontagem do guarda-lamas traseiro, avanços de estilo ‘Ace’ e bonitos ‘piscas’ bem compactos. Para facilitar ainda mais a decisão final, foram criados três kit’s (pode ser adquirido o pack completo ou em peças soltas) que marcam o caminho a seguir para todos aqueles que desejam possuir uma Street Twin única que se diferencia do resto: Scrambler kit, Brat Tracker kit e Urban kit.

A Street Twin apresenta-se assim moderna, divertida e fácil de conduzir, ideal para recém encartados. O som do motor também melhorou bastante e agora sente-se que temos ‘muito mais moto’ do que antes, sendo equipada com jantes de 18 polegadas que contudo, dão-lhe a mesma agilidade de uma comum naked com jantes de 17’’, sendo a força do motor em médios regimes realmente notável e surpreendente.

Funcional tanto em cidade como na estrada, esta ‘clássica’ revela que teve um nascimento muito bem sucedido, sendo o resultado de vários anos de um meticuloso trabalho.

Artigos relacionados

KTM 1290 Super Adventure

Não há que esconder, esta é a mais avançada maxi-trail da KTM até ao momento. Uma moto de prestações máximas mas também uma aventureira sem limites e que roda com prazer em todo o tipo de estradas, permitindo realizar trajetos confortáveis e viagens mais longas em ritmo de desportiva.






Kawasaki J125

A Kawasaki já havia entrado no segmento das scooters com a J300, mas agora a marca japonesa reforça a aposta e joga no ainda mais forte mercado das 125 cc. A ‘maxi-scooter’ J125 possui muita qualidade e uma dinâmica desportiva ao estilo do que a Kawasaki já nos habituou.






Peugeot Django 125

Nos anos ’50 a Peugeot comercializou as suas primeiras scooters, as S55 e S57, dois modelos de dois lugares com motor de 125 cc. Seis décadas depois, a marca do leão resgata o espírito estético e combina-o com a última tecnologia para dar luz à nova Django.