Yamaha YS 125: a moto mais leve para deslocações urbanas

Com um novo design desportivo e atrativo, mantendo as melhores caraterísticas e atributos da bem-sucedida YBR 125, a nova Yamaha YS 125 foi desenvolvida para atrair ainda mais seguidores. As suas rodas grandes e a suspensão suave asseguram uma fácil manobrabilidade, enquanto o seu baixo consumo, a maior autonomia e o maior conforto de condução tornam esta moto uma das mais práticas, acessíveis e leves para deslocações urbanas.

Aproveitando os pontos fortes da YBR 125 original, a Yamaha prosseguiu com a história de sucesso da linha de mobilidade urbana com a introdução da acessível YS 125, uma moto leve com estilo desportivo, segundo a marca, que foi desenvolvida a fim de responder às necessidades e exigências destes motociclistas europeus que realizam deslocações urbanas.

A nova Yamaha YS 125 foi desenvolvida com o intuito de reforçar as características que tornaram a YBR 125 um best-seller, mas oferecendo aos motociclistas exigentes e inteligentes da atualidade que realizam deslocações urbanas um pacote ainda mais confortável, elegante e atrativo.

Os proprietários da YBR 125 que procuram evoluir para um novo modelo podem esperar níveis ainda mais elevados de autonomia de combustível e conforto de condução com a YS 125.

Fiabilidade, acessibilidade e baixos custos de manutenção são pontos que estão no topo da lista de exigências dos motociclistas da atualidade que realizam deslocações urbanas, e o recém-desenvolvido motor SOHC de 125 cc, 2 válvulas e refrigerado por ar, em conformidade com a norma EU4, é um dos designs mais fiáveis e económicos da sua classe.

De modo a garantir que a YS 125 tem um consumo de combustível espantosamente baixo, assim como emissões de gases reduzidas, o motor compacto possui um novo cilindro com um curso mais longo, na ordem dos 57,9 mm, assim como uma nova cabeça do cilindro com um ângulo de válvula mais estreito e válvulas com um tratamento superficial mais duro. Um veio de equilíbrio único assegura uma condução suave, estando disponíveis mecanismos de arranque elétrico e de pedal.

O recém-desenvolvido motor monocilíndrico SOHC de 125 cc e 4 tempos destina-se a proporcionar uma fantástica economia de combustível – e, sendo um Yamaha, os clientes podem ter a certeza de que a fiabilidade e a durabilidade são de série. Equipada com um depósito de combustível de 14 litros de grande capacidade (ou seja, 1 litro mais do que a YBR 125 descontinuada), a YS 125 tem capacidade para percorrer mais de 300 km entre abastecimentos.

Esta moto estará disponível em meados de abril de 2017, com um P.V.P.R. de 2.825€.

Destaques da YS 125

*         Moto leve acessível, económica e fiável
*         Substitui a YBR 125, best-seller no segmento de mobilidade urbana
*         Novo design desportivo, com farol e carenagem novos
*         Design requintado com novas entradas de ar, tampas laterais e secção traseira
*         Novo motor de 125 cc a 4 tempos refrigerado por ar, de reduzido consumo de combustível
*         Em conformidade com a norma EURO 4
*         Posição de condução natural e descontraída, com o banco a uma altura de 795 mm
*         Depósito de combustível de maior capacidade (14 litros) para uma autonomia potencial de 300 km
*         Nova ponteira de escape ascendente de cor preta
*         Sistema unificado de travagem (UBS), para maior capacidade de controlo e segurança
*         Pode ser conduzida por quem tenha carta de condução de automóvel

Artigos relacionados

Keeway promove campanha de financiamento 0% de juros

De 1 de junho a 31 de agosto, a Keeway promove, uma vez mais, uma campanha de financiamento 0% de juros, com condições ainda mais atrativas.

Scania mantém-se como fornecedor de camiões do MotoGP por mais dois anos

A Dorna Sports tem o prazer de anunciar um novo contrato de dois anos com a Scania, confirmando assim a empresa líder mundial como o Fornecedor de Camiões Sustentáveis do MotoGP em 2018 e 2019.

Seleção portuguesa definida para o Motocross das Nações 2017

A edição de 2017 do Motocross das Nações vai contar, pelo segundo ano consecutivo, com a equipa portuguesa formada por Rui Gonçalves, Hugo Basaula e Paulo Alberto.