ACP comemora 116 anos de existência

Realizou-se no dia 15 de abril de 1903, na Sala Algarve da Sociedade de Geografia de Lisboa, a Assembleia Geral em que foram eleitos os primeiros corpos gerentes e que consagrava a criação do Automóvel Club de Portugal (ACP) que, assim, comemora hoje 116 anos de existência.

Figuram como Presidente Honorário o Rei D. Carlos, como Vice-Presidente Honorário o Príncipe D. Luís Filipe e como Presidente Perpétuo da Assembleia Geral o Infante D. Afonso. O ACP nasceu com o título de Real por «Sua Majestade El-Rei o Senhor D. Carlos, se havia dignado conceder o título de Real ao Clube que se ia fundar». O emblema Real ACP é aprovado em junho desse ano, tendo sido desenhado pelo punho do próprio Rei D. Carlos.

116 anos depois, o ACP conta com mais de 257 mil sócios, tendo registado em 2018 mais de 28 mil novos sócios. A evolução do clube levou a que seja hoje reconhecido pelo patamar de excelência nos serviços prestados aos sócios e pela defesa dos automobilistas e dos consumidores, tendo sido considerado recentemente como a instituição com melhor reputação no setor dos serviços pelo “Reptrack 2019”, do Reputation Institute.

Na área do desporto automóvel, uma das referências incontornáveis do ACP é o famoso Rally de Portugal que, depois do regresso ao Mundial WRC, é considerada uma das melhores provas do Campeonato do Mundo de Ralis e que só no ano passado gerou um retorno económico de 138 milhões de euros ao país.

Artigos relacionados

Botas de cano curto TCX Pulse já à venda

A TCX apresenta uma das grandes novidades para 2018, as botas desportivas de cano curto Pulse, com grande capacidade de ventilação para enfrentar os dias de calor intenso de forma confortável, sem ser necessário colocar a segurança em risco.

CNV 2017: Próxima prova do calendário será no Estoril e não em Braga

O Campeonato Nacional de Velocidade tem ainda duas provas por cumprir no calendário, depois de mais uma jornada no passado fim de semana.

Jorge Viegas pode suceder a Vito Ippolito na FIM

Jorge Viegas é candidato à sucessão de Vito Ippolito na presidência da FIM. O venezuelano não pretende concorrer nas eleições de 1 de dezembro deste ano, depois de três mandatos e 12 anos à frente dos desígnios do motociclismo mundial.