Peugeot Django 125

Peugeot Django 125

Regresso ao futuro

Nos anos ’50 a Peugeot comercializou as suas primeiras scooters, as S55 e S57, dois modelos de dois lugares com motor de 125 cc. Seis décadas depois, a marca do leão resgata o espírito estético e combina-o com a última tecnologia para dar luz à nova Django.

POR José A. García • Fotos Peugeot

Apesar de tudo, as coisas não mudaram assim tanto. A nova Django continua a usar um motor de 125 cc, oferece espaço para dois ocupantes (dependendo do modelo), e combina o carácter prático com um bom nível de equipamento e uma estética ‘chique’. A Django não inventa nada de novo mas também não o pretende. O seu valor verdadeiro acrescentado reside na personalização, pelo que oferece a possibilidade de qualquer um adquirir uma scooter única ao variar as cores, elementos de série ou acrescentando acessórios.

Para isso, a Peugeot tem duas vias: o cliente poderá partir de quatro opções pré-definidas (Heritage, Sport, Evasion e Allure), que colocam a Django em registos de estilo e equipamento radicalmente diferentes, e a partir daí basta escolher o motor (em Portugal estará disponível apenas na motorização de 125 cc), a cor da carroçaria e os elementos opcionais. A segunda via consiste num configurador digital denominado Django ID, quer permite ao utilizador criar, a partir do seu computador, uma scooter muito mais pessoal e adaptada ao seu gosto, com um preço que irá depender das opções escolhidas mas que será sempre superior ao dos modelos pré-definidos.

O propulsor de 125 cc de origem Sym , de carburação e refrigeração por ar, é o mesmo usado em outros modelos da marca como é o caso da CityStar, e o consumo anunciado é de 2,9 lts/ 100km, o que permitirá fazer 300 km’s por cerca de 12 euros.
na cidade.

Peugeot Django (38)

No nosso teste dinâmico pudemos comprovar que a Django é bastante ágil, graças ao seu assento baixo, solo plano e rodas de 12 polegadas. Além disso, oferece uma capacidade razoável de carga no espaço sob o assento (onde se pode guardar um capacete aberto e mais qualquer coisa), no porta-luvas do avental dianteiro (com chave e tomada de corrente) e através de um gancho para sacos. Embora esteticamente não haja duas iguais, a diferença mais notória entre as várias versões acaba por ser pela presença ou ausência do sistema de travagem combinada SBC, sendo a Heritage a única que não o tem integrado, e que, mediante o acionamento da manete esquerda, atua sobre ambas as rodas.

Este é um modelo repleto de detalhes, tais como os poisa-pés retráteis para o passageiro, óticas LED e uma completa instrumentação através de uma esfera analógica e painel LCD retro-iluminado que oferece muita informação.

Esta é então uma scooter bastante peculiar e que, mesmo não indo ao encontro do topo das prestações ou da dinâmica, consegue juntar todas as qualidades dos veículos desde género ao mesmo tempo que oferece uma estética muito cuidada e tipo de personalização que não é muito comum encontrar numa scooter de 125 cc.

Artigos relacionados

Yamaha FJR 1300 AE

Realizar longas tiradas de moto não tem que ter uma “seca” ou um martírio, pode na realidade ser bastante gratificante. Desde 2001 que a Yamaha tem mostrado isso, através de uma moto confortável mas bem divertida de utilizar; e agora que chegámos a 2016 é altura de mais uma renovação, com a FJR 1300 AE pronta para muitos mais quilómetros de prazer.

Yamaha XSR 900

O objetivo da Yamaha era bem aliciante: pegar na sua irreverente MT-09 e criar mais um modelo cheio de estilo e com excelente dinâmica dentro do seu segmento Sport Heritage. O que dizer mais? Que o desafio foi perfeitamente alcançado!

BMW R 1200 RS

Máquina poderosa mas essencialmente versátil, esta boxer está apta a todos os usos. E beneficia de uma longa tradição da marca neste segmento, pelo que esta RS é uma moto totalmente reformulada das versões anteriores.